Controle de Qualidade

A combinação entre as três diferentes micro regiões de produção onde se localizam as fazendas MCMiaki Coffee, os respectivos microclimas e as variedades de café empregadas permitem obter diferentes sabores e aromas em cada lote de café.

Varidades amarelas e vermelhas diferem entre si pela capacidade de cada uma produzir distintas bebidas, assim como são influenciadas pelo microclima reinante em suas lavouras.
Da florada até o fruto chegar a maduro uma longa jornada acontece e que é acompanhada por olhos vigilantes para encontrar indícios de que alguma praga ou doença não provoquem estragos irreparáveis.

Verdes, Passas, Quase Maduros e Maduros. Assim podem ser os frutos no momento da colheita e que, via de regra, acabam sendo colhidos juntamente. Antes de seguirem para os terreiros, onde começam o processo de secagem das sementes, os frutos passam por uma seleção por diferença de Densidade realizado por clássicos equipamentos conhecidos como Lavadores. Os Passas bóiam e seguem um curso diferente dos Maduros, Verdes e Quase Maduros, que podem seguir para os terreiros diretamente ou terem antes retirada a casca externa.

Sementes secas formam os lotes de café que serão adquiridos pelas torrefações do Brasil e do Mundo.

Padronizar, garantir estabilidade da Qualidade Sensorial dos lotes e, principalmente, que cada lote tenha sua característica nos atributos sensoriais é o papel que o Sistema de Controle de Qualidade desempenha.

Lotes homogêneos garantem uma experiência compartilhável para um grande número de pessoas sem, contudo, dispensar elevados padrões de exigência quanto à Pureza (sem os chamados Defeitos Capitais) para cada cliente.

Rigorosas avaliações físicas e sensoriais são a garantia de lotes homogêneos e em perfeita sintonia com as demandas de cada cliente.

[videos-qualidade]